CAPRINOVINOCULTURA: Produtores, empresários e instituições discutem políticas de melhorias para setor


Imagens: Paulo Chancey

EVENTO ACONTECEU NESTA TERÇA-FEIRA (07), EM JUAZEIRO

Aconteceu nesta terça-feira (07), em Juazeiro, mais um encontro  entre setores ligados ao segmento da caprinovinocultura.

Organizado pelo Sebrae, e com o apoio do Progama Bioma Caatinga e da Fundação Banco do Brasil, e já em seu terceiro ciclo,  o encontro contou com representações dos produtores rurais, empresários, abatedouros, frigoríficos, lojas que comercializam os cortes, além de parceiros como sindicatos de produtores rurais – SENAR, FAEB e Banco do Brasil.

Segundo o coordenador do evento, o Técnico do Sebrae, Rinaldo Moraes, o encontro teve como motivação principal, ouvir a voz do produtor dos cinco municípios onde o Bioma atua – Juazeiro, Curaçá, Uauá, Casanova e Remanso -, que enviaram suas representações.

Segundo Rinaldo, a ideia central foi de não ficar apenas presos a uma discussão técnico-institucional, e sendo assim, logo após a abertura foi franqueada a palavra aos presentes para que pudessem expor seu sentimento, seus resultados, ganhos, mas também, suas dores, a exemplo das dificuldades de acesso ao crédito, mas também sobre as dificuldades de comercialização que ainda é um grande entrave que precisa ser vencido, pra que esse produtor consiga chegar mais fácil e mais rápido ao mercado.

“A atividade da caprinovinocultura é fundamental para a sustentabilidade da nossa região, para a manutenção do homem no campo, e Fazer com que ele possa fazer a fazer a sua sucessão empresarial, que possa ter a propriedade rural como um empreendimento sustentável, que gere negócio e renda para a família. Esse tem sido o grande desafio do Programa Bioma Caatinga”, concluiu Moraes.

Foto: Paulo Chancey

O produtor Ivanildo Lima, que esteve no evento representando Instituto de Preservação da Caatinga de Curaçá declarou que  a cadeia produtiva da caprinovinocultura vem passando por um processo de evolução extraordinária que impõe novas condutas nos hábitos das pessoas, mas que todos estão prontos e dispostos adaptarem-se a elas. “Os cinco municípios do Bioma Caatinga estão antenados, têm uma capacidade de produção, tem um plantel que pode fornecer para o mercado, portanto o que reivindicamos é a criação de uma central de produção e comercialização, capaz de fazer um mapeamento de quem são e onde estão os protagonistas dessa cadeia produtiva, promover uma articulação entre eles, o mercado e as inovações.”, declarou ele.

O evento foi encerrado com o encaminhamento da realização de uma caravana agendada para o próximo dia 30 de maio, onde os agentes da cadeia produtiva da caprinovinocultura seguirão até o município de Remanso (BA), afim de conhecerem a estrutura e atuação do abatedouro Cabra Bom, que já vem atuando de forma substancial no elo cadeia produtiva-comercialização.

Da redação VALOR DO VALE, com informações de JOSENALDO RODRIGUES – Agente de Comunicação e Informação do Programa Bioma Caatinga

Previous Reitoria da Univasf emite Nota sobre os impactos do bloqueio no orçamento das Ifes
Next JUAZEIRO: PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL TERÃO ACESSO AO CÓDIGO DO CONSUMIDOR, EM BRAILE.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.